Executivo sucessor de Luiz Carlos Trabuco Cappi possivelmente será do próprio Bradesco

As sucessões dentro do Bradesco têm originado algumas especulações acerca do perfil do novo presidente que a instituição terá. Conforme Luiz Carlos Trabuco Cappi, que atualmente tem entre suas responsabilidades as presidências do conselho administrativo e da própria organização, há grande probabilidade de que o novo líder seja alguém que já atue na corporação. Com base em um calendário de sucessões elaborada pela administração do banco, há a informação de que se trata de um processo que estenderá até o ano de 2018, já que haverá uma assembleia destinada a eleger o conselho administrativo da empresa.

Luiz Carlos Trabuco Cappi destaca que, embora haja a estimativa de que o nome do novo presidente seja publicamente conhecido após a ocorrência da assembleia, a escolha talvez seja feita antes mesmo da reunião. Ele, contudo, permanecerá na presidência até 2019. Até o momento, o executivo esclarece que o nome de seu sucessor ainda não é conhecido dentro da instituição e descreveu as sucessões como um processo próprio da política de administração estabelecida pelo Bradesco.

O executivo reiterou, em uma entrevista publicada pelo Estadão, que a empresa possui um forte legado em relação ao trabalho que realiza, sobretudo no que se refere à intensa formação conferida aos executivos da instituição. Luiz Carlos Trabuco Cappi salientou a abrangência internacional que organização alcançou nos últimos anos e descreveu a estrutura do banco como de grande complexidade, algo que refletirá diretamente na momento de se escolher o presidente que dará continuidade ao que já foi conseguido pelos colaboradores anteriores.

Apesar da instituição não ter revelado o nome de quem ocupará o posto da presidência, há rumores de que um dos executivos seja forte candidato ao cargo. Trata-se de Maurício Minas, executivo do grupo que já atuou na área de tecnologia do Bradesco. O profissional teria sido responsável por uma verdadeira revolução ao implementar medidas tecnológicas dentro da companhia. Além disso, ele é apontado como causador de integração após a compra de uma empresa concorrente e do desenvolvimento ocasionado no departamento que cuida da versão digital do banco.

Mesmo considerado pelo mercado como o mais indicado ao cargo, o banco possivelmente contará com o interesse de outros executivos da companhia. Em relação aos outros possíveis colaboradores a atuarem na presidência, a instituição possui um extenso leque de opções. Até mesmo alguns membros da empresa que passaram a integrar o corpo executivo recentemente não estão descartados da possibilidade de serem considerados no momento da escolha, levando-se em conta que os mais experientes possuem teoricamente mais chances de sucesso no processo sucessório de Luiz Carlos Trabuco Cappi.

A sucessão do executivo de seu cargo na presidência se dará em razão de Lázaro de Mello Brandão ter anunciado sua intenção de deixar o posto de presidente do conselho de administração da empresa. Em face desse acontecimento, o corpo de gestores da instituição achou mais conveniente que Luiz Carlos Trabuco Cappi passasse a ocupar temporariamente tanto a função que já exercia desde 2009 como as atividades que eram de responsabilidade de Brandão até que responda somente pelas incumbências do colega.