O reajuste salário mínimo em 2018 será o menor desde 2004

O poder de compra da população tem sido ajudado com a queda da inflação, porém o reajuste do salário em 2018 será mínimo.

O valor revisado terá um reajuste de 22 reais sobre o valor atual que é de 937 reais e passará a ser 959 reais. Essa é a menor correção já registrada desde 2004, ficando abaixo do previsto que era 42 reais de reajuste.

Criada em 2011 com vigor até 2019, a fórmula do reajuste salarial considera uma soma de variações do Índice Nacional de Preços ao Consumidor do ano anterior junto ao Produto Interno Bruto de dois anos anteriores. Como o PIB em 2016 não obteve crescimento, o reajuste do ano que vem irá levar em conta apenas a taxa do Índice Nacional de 2017. Um valor bem a baixo que o do Índice de Preços ao Consumidor Amplo, pois considera um peso maior os itens alimentícios que ajudaram na deflação nos meses de julho e agosto.

O reajuste menor do salário mínimo ajudará na redução de despesas com benefícios previdenciários em 6 bilhões.

Porém para o especialista em contas públicas, Raul Veloso, essa correção baseada apenas na inflação não deverá ajudar na expansão do PIB, por não estimular o consumo. Raul acha que o reajuste não colaborará na atividade econômica por não haver aumento real. Porém como ainda vai haver ajuste pela inflação, o governo continuará com as suas despesas aumentando e a arrecadação diminuirá a um ritmo de crescimento menor que consequentemente fará o governo gastar menos.

O piso salarial menor não será suficiente no alívio do problema fiscal, e o aumento devido à baixa inflação implicará 6 bilhões a mais em despesas com a Previdência, sendo maior que a correção do INPC.

O economista e ex-diretor do Banco Central, Carlos Eduardo de Freitas, acha que qualquer reajuste do salário mínimo nesse tipo de circunstância de crise fiscal irá aumentar as despesas e a regra atual irá prejudicar as contas públicas. Ele acredita que os próximos governos precisarão propor uma lei de correção nova sobre o salário mínimo, usando a variação do PIB por pessoa dos dois anos anteriores.

Desde 2002 a valorização do salário mínimo acumulada foi de 520%, um valor duas vezes maior que o IPCA até setembro de 2017 que é de 206%

 

Os financiamentos realizados pela Caixa sofrem redução para 50% no limite

Image result for financiamentos

 

Essa alteração proposta pela Caixa Econômica Federal é referente ao programa Minha Casa Minha Vida, a quantidade disponível nos empréstimos cedidos junto a recursos na utilização do FGTS e também sobre o Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo, onde houve as novas mudanças no limite disponibilizado.

Esse novo limite disponível será acompanhado de mais dificuldades na hora de fazer um financiamento de um imóvel junto à Caixa, já em vigor desde o dia 25 de setembro de 2017. A Caixa irá reduzir essa forma de financiamento para a casa dos 50% referente ao valor cobrado pelo imóvel, o que difere dos 60% até 70% disponibilizados pela Caixa ao longo dos anos, em algumas modalidades de linhas de créditos na hora do contrato.

A Caixa Econômica Federal informou no dia 22 de setembro de 2017 que, esse novo limite estabelecido é referente para as futuras contratações de tais créditos. Ou seja, não infere nos contratos já realizados até então e nos contratos que estavam em processo de aprovação, nesses contratos as regras antigas ainda serão vigentes.

A maior credora para contratos imobiliários disponíveis no país, a Caixa Econômica Federal responde por mais de 70% desses contratos, e essas mudanças devem estar dentro do contexto para a nova realidade do setor imobiliário e da construção civil do momento. Segundo a Caixa, o volume de crédito está e continuará a crescer em 2017, sendo que do mês de maio ao mês de junho houve uma alta de 24% na comparação feita com os meses de fevereiro e abril de 2017. Foi um crescimento de R$ 2,4 bilhões.

O foco da Caixa Econômica Federal é a venda de imóveis novos visando essa nova realidade de crédito limitado disponibilizado pelo banco. Somente no mês de agosto de 2017 a redução foi considerável, atingindo a casa dos 80% (redução de 10%) na aquisição de imóveis novos. Para a aquisição de imóveis usados, a redução foi gradual, vindo de 90%, caindo para 70% ou 60%.

Houve mudanças já anunciadas no mês de maio de 2017, onde o banco havia suspendido o restante da linha pró-cotista do FGTS, uma linha de crédito que utiliza o FGTS – Fundo de Garantia do Tempo de Serviço, ao financiar imóveis de até R$ 950 mil.

O PNBE não entregará livros de literatura até 2019 para bibliotecas escolares

O MEC – Ministério da Educação, fez sua última entrega de livros de literatura para as bibliotecas das escolas públicas no ano de 2014. Segundo o governo federal, serão pelo menos quatro anos até que as bibliotecas possam receber novos livros. O programa que garante a compra e a entrega dos livros nas bibliotecas das escolas públicas deixou de ser executado desde 2014, pois o governo decidiu que pararia as entregas e só voltaria a comprar novos livros a partir do ano de 2019.

No período de 2000, quando começaram as entregas dos livros, até 2014, quando o governo paralisou a distribuição, foram um total de quase 230 milhões de livros entregues as bibliotecas das escolas públicas de todo o Brasil. O custo médio para cada livro foi de R$ 3,80.

O PNBE – Programa Nacional Biblioteca da Escola, foi o responsável por comprar e entregar os livros para a rede pública de ensino no Brasil. Neste período de 14 anos, o programa chegou a investir um total de R$ 891 milhões para comprar novos livros. Por ano, a média de investimento chegou a R$ 68,5 milhões para renovar os acervos das bibliotecas que correspondem aos ensinos básicos, sendo eles o infantil, o fundamental e o médio das escolas públicas.

No entanto, o MEC revelou que há uma tramitação em andamento desde julho deste ano para a eliminação do PNBE que tinha sido apenas descontinuado. Mas uma alternativa para que o PNBE não seja extinto também está em andamento. A decisão deverá ocorrer até o ano de 2019, o prazo que o governo estabeleceu para que os livros voltem para as prateleiras das bibliotecas.

Contudo, a primeira alternativa elaborada para substituir o atual PNBE é o decreto nº 9099, feito em 18 de julho de 2017. Nesta medida o governo incorporou ao PNLD – Programa Nacional do Livro Didático, de uma forma obrigatória a “avaliação e disponibilização de obras literárias, além de acervos para bibliotecas, incluindo ações de qualificação de materiais para aquisição descentralizada pelos entes federativos”.

O edital que ainda está sendo elaborado pela SEB – Secretaria de Educação Básica, não foi acessado pelo MEC. Por isso, o órgão ainda não informou quantos livros de literatura serão enviados pelo novo PNLD ou qual será o orçamento para que isso aconteça. Outra questão que não foi divulgada pelo MEC é se o orçamento específico para a literatura será mantido ou se ainda os estados deverão arcar com a compra dos livros, tornando a “aquisição descentralizada”.

Governo lançará programa de incentivo para a saída do Bolsa Família

Image result for Governo lançará programa de incentivo para a saída do Bolsa Família

Um novo programa social será lançado pelo governo federal para que famílias se incentivem a deixar o programa Bolsa Família. Segundo informações do governo, o programa tem o intuito de incentivar a saída dos beneficiários fazendo com que a renda de um total de 1 milhão de famílias seja elevada em 2 anos. O responsável por adiantar essa informação do governo foi o ministro Osmar Terra do Ministério do Desenvolvimento Social.

O programa foi batizado de Progredir e será realizado a partir do incentivo a qualificação profissional dos beneficiários do Bolsa Família. O novo programa irá oferecer cursos para que os beneficiários possam se qualificar em diversas áreas de trabalho ampliando as suas oportunidades de emprego. Além disso, o governo ainda irá disponibilizar um sistema de microcrédito para as famílias que possuem baixa renda com um total de R$ 3 bilhões em verbas disponíveis. As famílias que estiverem cadastradas no Cadastro Único, sistema de programas sociais elaborado pelo governo federal, poderão contar com o microcrédito.

“É um programa vinculado ao público do Bolsa Família, a população mais pobre do Brasil, que visa criar oportunidade de emprego e renda para essa população. Não é um programa para tirar as pessoas do Bolsa Família”, revelou Osmar Terra, ministro do Desenvolvimento Social.

Mesmo o ministro alegando que o programa não deverá necessariamente eliminar os beneficiários do programa Bolsa Família, o Progredir servirá como uma “forma de emancipação” dos benefícios cedidos às famílias de baixa renda. O ministro disse: “Ninguém pode passar fome, mas o Bolsa não deve ser um projeto de vida”.

Após uma reunião com o presidente Michel Temer, o projeto foi definido para atender jovens e adultos que moram nas zonas urbanas e rurais do país. O governo estima que um total de 13,4 milhões de famílias beneficiárias do Bolsa Família possam ser atendidas pelo novo programa Progredir. Atualmente existem mais de 28,2 milhões de famílias cadastradas no Cadastro Único, que corresponde aos beneficiários do programa Bolsa Família.

Além da coordenação e administração do Ministério do Desenvolvimento Social – MDS, o programa Progredir contará com algumas colaborações de outras pastas específicas, como o Ministério do Trabalho, da Educação, da Ciência e Tecnologia, e do Comércio Exterior e Serviços.

 

Governo lança simulação em site para a compra de Tesouro Direto

 

O Tesouro Direto é uma forma de investimento a médio e longo prazo e pode ser investido por qualquer pessoa. A novidade é que agora as pessoas poderão simular os resultados da operação em busca da rentabilidade que o investimento dispõe. Os valores líquido e bruto mais as taxas de administração e os impostos inclusos, poderão ser bem analisados antes de realmente ser feito o investimento.

Muitas pessoas constantemente ouvem falar do Tesouro Direto, mas não procuram saber mais informações de como funciona e como investir. No dia 21 de setembro de 2017, o Tesouro Direto passou a ser simulado através do site do Tesouro Nacional. Para as pessoas que ainda não conhecem essa forma de investimento, essa é uma oportunidade ótima de procurar saber mais. Entender como o investimento funciona, quais são as suas formas mais rentáveis, as de médio e longo prazo. Quanto custa fazer um investimento mínimo, quais são as taxas e permanências que serão cobradas, todas as dúvidas poderão ser esclarecidas.

O Tesouro Direto é uma forma de investimento onde as pessoas compram títulos do Tesouro Nacional como uma forma de participar diretamente em investimentos do Ministério da Fazenda, e isso reflete diretamente na economia do Brasil. No site do Tesouro Nacional, as pessoas também poderão se inscreverem no curso do Tesouro Direto. Desde o dia 8 de setembro de 2017, estão sendo oferecidas 8 mil vagas para os interessados que desejarem aprender mais sobre investimento diretamente com economistas do governo.

O site trabalha com uma forma de algoritmo que busca visar várias formas de perfis de investidores, desde os mais ousados até os mais conservadores. Desta forma a política de recrutamento de investidores é dinâmica e objetiva para cada um prover da melhor forma de investimento disponível.

Após a pessoa ter passado pelo processo de perguntas do site e ter conhecido a melhor sugestão para o seu perfil, serão realizadas duas formas de simulação: quanto a pessoa poderá receber no término de um período de aportes pré-fixados e a quantia que ela terá que disponibilizar para essa empreitada. No fim de todo esse processo o investidor já saberá a estratégia que melhor se encaixa em seu perfil.

Essa novidade veio em meio a uma campanha lançada pelo Ministério da Fazenda chamada de “Transformação pelo conhecimento”, junto a Secretaria do Tesouro Nacional. O objetivo e capacitar o máximo de pessoas possível para que elas conheçam as formas de investimentos que estão disponíveis atualmente, como poupança, LCI/LCA, CDB, Fundo DI, entre outros, e possam somar para elas e para a economia do país.

 

Ministério do Planejamento anuncia que servidores públicos poderão aderir ao PDV

Um novo anúncio feito pelo Ministério do Planejamento incentiva os servidores da administração pública federal direta a aderirem ao PDV – Plano de Demissões Voluntárias. O incentivo realizado pelo Ministério começou a valer a partir do dia 13 de setembro, e tem como objetivo cortar gastos com o funcionalismo de cargos públicos. Embora o plano tenha sido lançado para que as demissões aconteçam de forma voluntária, o próprio Ministério avalia que o incentivo não deverá ter um resultado expressivo na quantidade de demissões.

O Ministério do Planejamento anunciou que as demissões voluntárias poderão ocorrer até o final deste ano, sendo que os desligamentos dos respectivos postos de trabalho ocorreram no ano seguinte, em 2018. No incentivo de demissão voluntária, o governo declarou que o servidor público que optar por aderir ao plano poderá receber uma indenização no valor de 1,25 vezes o total de sua remuneração mensal referente a cada ano de serviço. Além disso, o servidor ainda receberá todos os valores assegurados conforme seus direitos, como o valor de férias e a gratificação natalina.

No entanto, o Ministério do Planejamento também informou que algumas categorias de serviço público terão limitações no Plano de Demissões Voluntárias, sendo assim, alguns servidores públicos não estarão dentro do quadro de incentivo.

O governo espera economizar um total de R$ 1 bilhão todos os anos com o Plano de Demissão Voluntária e com cortes realizados em outras medidas já anunciadas em relação aos servidores públicos, como é o caso da licença incentivada sem remuneração e a jornada de trabalho reduzida.

Embora o governo não tenha grandes expectativas de servidores adeptos ao plano de incentivo, é esperado que um total de cinco mil servidores, o que significa 1% do total de trabalhadores em cargos públicos federais, sejam demitidos pelo plano.

Já no caso da jornada de trabalho reduzida, uma das medidas adotadas pelo governo para cortar gastos, o servidor público poderá voluntariamente reduzir a sua carga horária que corresponde de 8h diárias (um total de 40h por semana), para um número de 6h ou 4h diárias de trabalho (30h ou 20h por semana, respectivamente). Com a redução do total de horas trabalhadas, a remuneração para tal será equivalente ao total trabalhado.

Para que os servidores possam aderir a esse estímulo do governo, é avaliado alguns quesitos, como o caso de o servidor público ter filhos de até 6 anos de idade, ou ainda ele ser responsável pelos cuidados de outra pessoa, nesses casos há preferências por esses candidatos.

 

Ipea revela que apenas 28% dos desempregados conseguiram registro em carteira

O Ipea – Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, revelou um levantamento de dados onde é apontado que apenas 28% de todos os brasileiros que ficaram desempregados e finalmente conseguiram se recolocar no mercado de trabalho no 2º trimestre do ano, possuem carteira assinada. O levantamento foi realizado a partir de dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua, feita anualmente pelo IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.

Dentro desses dados, o levantamento revelou que os trabalhadores que foram demitidos e passaram a ter uma recolocação no mercado, cerca de 43% deles atuam sem carteira assinada. Outros 28% desses trabalhadores estão no mercado atuando por conta própria e apenas 1% desse total virou empregador.

O estudo também revelou que de 1,3 milhão de trabalhadores que voltaram para o mercado, 1 milhão atua agora no mercado informal. Ou seja, uma grande parcela dos trabalhadores que ficaram desempregados viram a solução na forma de seguir por conta própria.

O IBGE destacou em sua pesquisa que o trabalho informal é o grande influenciador na diminuição da taxa de desemprego no Brasil. No mês de julho deste ano, a taxa de desemprego teve uma queda e atingiu os 12,8%, o que representa um total de 13,3 milhões de desempregados.

Mesmo com os dados apontando um forte crescimento do mercado informal, o Ipea ainda insiste que o mercado formal é o que mais emprega pessoas no Brasil. Dentro desta modalidade, o Ipea destacou que são 44 milhões de pessoas trabalhando com carteira assinada em todo o país. Sendo assim, esse número representa uma parcela de 49% dos trabalhadores atuantes em todos os meios de trabalho no Brasil.

“Observa-se que ao longo dos últimos anos, vem crescendo o número de trabalhadores por conta própria enquanto o contingente de empregados no mercado formal mantém-se estável”, revelou o estudo.

Dentre a população ocupada no Brasil, o número de trabalhadores que atuam por conta própria no país aumentou de 22% no ano de 2012, para um total de 25% neste ano. No caso do trabalho formal, houve um ligeiro recuo referente ao mesmo período, indo de 23% para 21%.

Mês de agosto registra queda de 13,5% na produção de motos no Brasil

Image result for Mês de agosto registra queda de 13,5% na produção de motos no Brasil

O setor de produção de motos no Brasil teve uma redução no mês de agosto em 13,5%, comparado com o mesmo mês no ano passado. Ao todo, a produção registrou um número de 80.192 unidades de motos em todo o país. O número é menor que a produção do mês de agosto de 2016, quando o setor registrou um total de 92.725 motos. Os novos dados das produções de moto no Brasil são da Abraciclo – Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares.

Além da queda da produção no mês de agosto, o acumulado do ano também apresentou uma queda no número de produção do setor. Mesmo sendo um percentual menor, 9%, o acumulado representa uma grande parcela da produção do setor em níveis econômicos. Desde o início do ano até pouco mais da metade, período que corresponde de janeiro a agosto de 2017, cerca de 575.524 motos foram produzidas no Brasil. Os primeiros oito meses do ano de 2016 registrou a produção de 632.490 unidades.

No entanto, o setor de motos, assim como o de carros, tem exportado mais unidades para outros países. A alta na exportação do setor é de 60,1% a mais do que foi registrado no mês de agosto de 2016. Esses percentuais representam um total de 7.239 motos exportadas para outros países no mês de agosto.

Mesmo com os números apontando a queda nas produções do setor, a Abraciclo ainda espera um crescimento acentuado no número de motos produzidas no Brasil. As estimativas da associação é de que até o final deste ano, cerca de 910 mil motos sejam produzidas pelas montadoras. Se esses números foram concretizados, o percentual será de 2,5% maior que a produção total do ano passado.

Em 2016, foram produzidos um total de 887.653 unidades de motos no Brasil. O setor apresentou uma boa taxa de concentração na produção. Neste ano, como a produção já se iniciou com queda no setor, as perspectivas são de que, pelo menos, o setor não feche com queda. Mas se as perspectivas da Abraciclo corresponderem ao resultado final no ano, o setor superará a produção do ano passado.

 

Luiz Carlos Trabuco Cappi e a aquisição bilionária que aumentou a lucratividade do Bradesco

Luiz Carlos Trabuco Cappi foi nomeado presidente do Bradesco no mês de março de 2009, época em que muito se especulava acerca da liderança no segmento bancário. O executivo, entretanto, preferiu manter o foco na qualidade dos serviços que a companhia oferece aos clientes. No ano de 2015, uma transação de grande porte foi efetuada. Tratava-se da aquisição de outra instituição financeira por meio de uma negociação que aqueceu o setor.

O negócio de 5,2 bilhões de dólares foi considerado o maior do ano e consistiu na compra de uma filial, localizada em território nacional, de uma empresa concorrente. Dessa forma, a instituição conseguiu recobrar o fôlego para se estabelecer como líder face às demais companhias do ramo. Diversos produtos bancários foram valorizados após a aquisição da unidade, fazendo com que fossem mais comercializados do que nos demais bancos do mercado. Dentre os serviços mais procurados, destacaram-se depósitos, empréstimos e ativos. Além disso, foi o banco que abriu maior número de agências.

O presidente do Bradesco nasceu em Marília, no ano de 1951. Por coincidência, trata-se do mesmo local onde o banco abriu sua primeira agência. Formado pela Universidade de São Paulo (USP), o executivo viu nessa grande compra uma maneira de fazer com que a companhia crescesse no mercado. O negócio acabou por render a Luiz Carlos Trabuco Cappi o título de “Empreendedor do ano”, denominação concedida pela revista Dinheiro, que trata especificamente do segmento financeiro.

No Bradesco o executivo iniciou sua carreira com 18 anos e obedeceu à política da empresa no que se refere a passar por todos os níveis hierárquicos até que se atinja a presidência. Na gestão que realizou durante o período compreendido entre os anos de 2003 e 2009, na área encarregada por seguros, ele ganhou maior visibilidade na instituição. Nesse período, aproximadamente 30% de todo o lucro foi originado desse setor, algo que se reflete até os dias atuais.

Tão logo tornou-se presidente da instituição financeira, Luiz Carlos Trabuco Cappi inaugurou uma universidade voltada ao ambiente corporativo, de modo a procurar que os líderes renovassem seus conhecimentos. Assim sendo, ele objetivou a manutenção de um diálogo mais intenso com os executivos das várias áreas do banco e deu-lhes mais autonomia nas tomadas de decisões da companhia.

As promoções, entretanto, obedeciam a uma espécie de rito de passagem onde Luiz Carlos Trabuco Cappi fazia questão de reunir os executivos no espaço considerado mais solene da instituição, o Salão Nobre. Na ocasião da cerimônia realizada para promovê-los, o presidente esclarecia que esperava que cada um deles tivesse metas claras para serem ditas, além de um planejamento e algumas estratégias de ação. O executivo é reconhecido também pelo fato de buscar outros profissionais que ainda não trabalham na companhia.

O atual diretor-executivo da instituição, Renato Ejnisman, foi um desses profissionais que Luiz Carlos Trabuco Cappi encontrou trabalhando em outra empresa e resolveu trazê-lo para integrar o quadro da diretoria. O próprio presidente já foi convidado para assumir outros cargos de destaque, mas preferiu continuar sua trajetória profissional na companhia.

 

Mês de agosto fecha com alta de 45,7% na produção de veículos

O mês de agosto fechou com uma alta de 45,7% para o setor de produção de veículos no Brasil. A comparação foi feita em relação ao mesmo período de 2016. Os dados foram divulgados pela Anfavea – Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores. Segundo a associação, os dados foram os melhores resultados dentro de 2017, sendo ainda maiores que os números do mês de maio, quando o setor produziu um total de 250,9 mil veículos.

A alta do setor teve o grande impulso no número de exportações, que bateu recorde no total acumulado para este ano. Dentro do período de janeiro até o mês de agosto, foram exportados um total de 506.007 veículos fabricados no Brasil. Os números representam uma alta de 56,01% em comparação com o mesmo período em 2016, quando o setor exportou um total de 324.223 veículos.

O presidente da Anfavea, Antonio Megale, explicou o fenômeno: “O setor de exportação tem um papel importantíssimo na nossa produção. Entendemos isso e espero que continue assim mesmo com uma recuperação do mercado interno, que deve ocorrer em breve”.

Somente no mês de agosto deste ano foram produzidos um total de 260.349 veículos. Em contrapartida durante o mesmo mês no ano passado, o setor produziu um total de 178.704 unidades. Foi o melhor resultado obtido pelo setor desde o mês de novembro em 2014, e ainda o melhor resultado para o mês de agosto também desde o ano de 2014.

A alta para o acumulado do ano foi de 25,5%, somente entre o período de janeiro a agosto de 2017. O total de veículos produzidos no Brasil dentro desse período foi de 1.749.704. No ano passado, o mesmo período registrou uma produção de 1.394.181 veículos.

A alta é ainda maior que o número de veículos novos vendidos, que também teve o melhor resultado no mês de agosto deste ano, um total de 17,75% de crescimento. Os dados mostram que o setor voltou a crescer e que caminha rumo a recuperação dos meses em que houve uma ligeira queda nas vendas e na fabricação de veículos. O esperado é que o setor auxilie na retomada da economia brasileira